segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Jolivaldo Freitas escreve: Descontruíndo João.

Tenho assistido ao longo dos anos, debates entre todos os tipos de candidatos a prefeito, presidente e governador. Em minha curta vida vi um candidato gaguejar de forma tão nervosa que pensei que ficaria gago para sempre. Já vi candidato segurar microfone de cabeça para baixo e dar um longo discurso, enquanto o apresentador mais nervoso ainda gesticulava e ninguém da produção corria para acabar com o vexame. Presenciei também, candidato a presidência ser pego na mentira e sustentar a mentira de forma tão resoluta que os próprios adversários ficaram de queixo caído. E também um outro que, mesmo tendo sido preso e processado jurou pelos califons da mãe que, se eleito, iria perseguir os corruptos. Ganhou e perseguiu mesmo. Ladrão bastava ele.
O de anteontem da TV Aratu foi, para mim, de cinema, pois cada candidato se postou cumprindo direitinho o seu papel. Só quem me surpreendeu foi o Hilton Coelho, que mesmo sendo cururu, da esquerda raivosa, passou a maior parte do tempo gozando, ironizando e fazendo até piadinhas. A platéia ria, e o interessante é que somente o candidato do Psol não ria das próprias graças. Pelo menos descontraiu um pouco, pouco mesmo, aquele semblante que carrega, como se fosse Antonio Conselheiro esperando num porto de Monte Santo (claro que aí o sertão já tinha virado mar, né abobado) a nau trazendo dom Sebastião.
Casemiro Neto eu sabia que, com toda educação que Deus lhe deu, iria conduzir direitinho o programa, como realmente conseguiu, sem precisar usar mão de ferro. Mas, minha atenção estava mesmo era voltada para o comunicador Mário Kèrtész. Eu tinha certeza que somente sua presença na primeira fila iria deixar todo mundo com os nervos à flor da pele e alguns em crise existencial. E foi mesmo o que aconteceu. A discussão de Mário com Imbassahy foi de levantar qualquer Ibope. Eu mesmo travei na poltrona. Fiz uma pesquisa com 10 amigos. Seis quatro disseram que Mário ganhou. Três dizem que deu empate e um disse que Imbassahy saiu ganhando. Eu acho que quem ganha mesmo é a democracia ao vivo e à cores.
Achei também interessante o formato do programa. Trinta pessoas que se inscreveram pela internet tiveram seus nomes colocados numa urna. Selecionados fizeram perguntas para os candidatos e o emblemático é que cada pergunta esperava uma resposta de solução para problemas paroquiais. Cada perguntador estava ligado a um assunto pertinente à sua profissão. Não houve nada mais abrangente.
Os repórteres e colunistas políticos (senti a falta de Samuel Celestino e de Ivan Carvalho), por sua vez, tiveram uma participação excelente. Fizeram, como manda o figurino, levantamento de administrações passadas, de propostas, críticas e até de ligações de candidatos com problemas que viraram coqueluche da mídia nacional durante algum tempo e sabatinaram com profissionalismo e sem passionalidade cada candidato.
Maaaas, o mais intrigante de tudo, entretanto, em todo o debate, foi a lição de casa feita por cada um dos candidatos. Eles saíram em direção ao debate com a mochila pronta, o beabá gravado na cabeça, sem nem precisar fazer cola. A prova era: Como desconstruir João Henrique. Tudo bem que foram feitas perguntas cabeludas entre eles, mas quando era a vez de João responder, só vinha tiro de escopeta. Cada tirombaço que parecia uma guerra santa. Era a bola da vez.
Achei que o prefeito se saiu bem na absoluta maioria, me surpreendendo por saber a lição, ter os dados na cabeça e os números na mão. Embora estivesse com os olhos arregalados o tempo todo – reputo a um efeito da lente dos óculos, quem sabe. Mesmo quando perguntaram sobre o problema do Parque do Aeroclube, naquele caso entre prefeitura e o pessoal do Iguatemi, um imbróglio de verdade, ele tirou o corpo fora e chamou à responsabilidade o Ministério Público. Pelo que vi, embora João seja evangélico e estes não gostem do povo de santo, os orixás blindaram o prefeito. Agora, tocante mesmo foi quando Imbassahy disse que demitiu não sei quantos mil da administração anterior à sua e ainda confiscou o FGTS de milhares, com o coração aos frangalhos. A Meu vizinho que ficou na merda naquele período desabafou:
- Que coração, meu irmão?



Jolivaldo Freitas é escritor e jornalista. e-mail: jfk6@uol.com.br

© Todos os direitos reservados a Tribuna da Bahia.

4 comentários:

  1. CRISTINA BENEVIDES13 de março de 2009 11:46

    Moema Gramacho abandonou quem acreditou e apostou nela - os companheiros do Pólo Petroquímico de Camaçari.
    MOEMA NUNCA NOS AJUDOU.
    Para todos:
    COMUNIDADE CLÁUSULA 4ª-ORKUT
    A notícia sobre a conversa de Nelson Pelegrino e Lewandowski foi informada pelos jornais. Pois é, importaria muito para nós se o próprio Nelson nos desse a verdade e ele mesmo poderia aproveitar a "deixa" do ministro e ir mais fundo.
    Tentar obter uma promessa do dia provável da entrega deste processo para julgamento.
    De promessa ninguém ganha luta.
    Ele, o ministro tem que se comprometer com data, período.
    Quem tem acesso a Nelson Pellegrino para esclarecer esta dúvida.
    Um colega Paulo César diz na comunidade de Lúcia Veridiana que o ministro prometeu apressar. Mas o que saiu foi em jornal. Afinal qual a verdade deste fato?
    Por que Nelson Pellegrino, Rui Costa, Jaques Wagner, Moema Gramacho, Alice Portugal, Valter Pinheiro, o Sindiquímica como instituição, Dr. Mauro Menezes não fazem uma Petição requerendo data de julgamento do RE/194662 através do site do STF para endossar e fortalecer nossa luta?
    Como fazer chegar esta solicitação a estes antigos camaradas?
    Com relação a Cláusula 4ª, quero datas/
    Estive com ex-companheiro da CPC no Roberto Santos e ele estava com uma crise hipertensiva - stress - é aposentado e ele me relatou quanto companheiros já morreram de cânceres provavelmente adquirido naquela época e se disseminando lentamente. A maioria operadores. Pois é, e o próprio colega que deu de tudo na CPC para a "partida" onde eu também participei estava em um hospital público sentado em um local na Emergência (onde trabalho) aguardando atendimento. Merecemos isto? Eu não acredito em mais ninguém que fala o ministro falou..., vai julgar daqui há algum tempo...Quero é provas! Morremos e vivemos todos os dias e nosso destino não está escrito numa pedra. Essa de deixar dinheiro para filho é conversa fiada. Quem trabalhou fomos nós, quem merece somos nós. Fiz o futuro brilhante dos meus filhos com o dinheiro que ganhava no Pólo Petroquímico. Dei a vara a meus filhos e eles aprenderam a pescar como eu. Nada pode vim de graça que perde o gosto da vitória. Então quem alguém que contate Nelson Pellegrino e os outros?

    Cristina Benevides
    sexta-feira, 13 de março de 2009

    ResponderExcluir
  2. vc colocou a pessoa errada para tomar conta do cta sae...dona selma esta acabando com tudo.os usuarios do posto vai fk sem medico por causa do terror que essa mulher faz. esse demonio que entrou na vigilancia,.

    ResponderExcluir
  3. quero saber ate quando o descasso ira permanecer. os usuarios do posto de saude cta sae nao pode fk sem atendimento e dona selma vai tira pessoas de la pra quer.?????????? o posto ira fecha as portas por causa dela. vou denuncia-la as autoridades se nada melhora e vai ter vistoria. issso e crime deixar o portador hiv sem atendimento

    ResponderExcluir
  4. Realmente a situação da saúde no Estado da Bahia é uma grande vergonha.
    Obrigada pela colaboração e mantenha-nos informados.

    Equipe do
    Blog Vera Mattos

    ResponderExcluir

Você é livre para oferecer a sua opinião.